Ébola, cólera e sarampo: Ameaças triplas às comunidades mais pobres da República Democrática do Congo

Kasika é um dos bairros mais pobres de Goma, a maior cidade da Província do Kivu Norte da República Democrática do Congo (RDC). Foi em Kasika que foi detectado o primeiro caso de Goma. Mas o Ébola não é a única doença a flagelar os residentes de Kasika, que vivem em condições próximas, sob telhados de lata, sem água corrente, sem descarga de água e sem saneamento básico. A cólera e o sarampo também estão a surgir através da comunidade. "Dois dos meus vizinhos foram ao hospital esta semana. Ouvi dizer que era sarampo. Agora o meu bebé tem cólera. Estamos a sofrer muito aqui," diz Rachel Mukandekese, sentada num berço de cólera - uma cama especialmente concebida para doentes com cólera - no centro de saúde de Kasika, embalando o seu filho, de 20 meses de idade, Benedicção. Ele tem diarreia e está muito desidratado.

O número de casos de cólera e sarampo aumentou em toda a RDC, incluindo no Kivu do Norte, onde o surto de ébola grassa há mais de um ano. Desde o início de 2019 na RDC, registaram-se 183 837 casos suspeitos de sarampo e 3 667 mortes e 18 201 casos suspeitos de cólera e 325 mortes. Registaram-se 2 576 casos confirmados e prováveis de ébola e 1 760 mortes nesse mesmo período. "Normalmente, organizamos uma campanha nacional de vacinação contra o sarampo a cada três anos", diz o Dr. Stéphane Hans Bateyi Mustafa, coordenador regional do programa ampliado de imunização no Kivu Norte. "Mas desta vez estamos atrasados. No Kivu Norte, muitos recursos humanos e fontes de financiamento foram direcionados para o surto de ébola. Outras actividades de rotina têm sido sub-financiadas".

As campanhas de vacinação contra o sarampo, que envolvem reunir muitas pessoas, também são arriscadas em ambientes com ébola e exigem a implementação de medidas adicionais, como o rastreio da temperatura. Isto requer ainda mais recursos. Em Goma, e especialmente em Kasika, o pessoal de saúde tem sido dominado pela vigilância do ébola e pelas atividades de comunicação de risco. Em apenas uma das três zonas de saúde de Goma, Karisimbi, que contém o bairro de Kasika, foram registados 1 139 casos de sarampo desde o início do ano. Este número é o dobro do número de casos para todo o Kivu do Norte em 2018 e quase cinco vezes o de 2017. Além disso, desde o início de 2019, foram notificados 795 casos suspeitos de cólera na mesma zona de saúde.

"Os números continuam a aumentar e a um ritmo mais rápido", diz o Dr. Arsène Enyegue, coordenador do cluster de saúde da Organização Mundial da Saúde para as províncias de Kivu Norte e Ituri. As autoridades locais na província do Kivu Norte, em colaboração com os parceiros, estão a tomar medidas. Com o apoio financeiro e técnico da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Governo está a reforçar as actividades de vigilância do sarampo, incluindo a descoberta de casos activos e a formação de profissionais de saúde, e a aumentar as actividades de sensibilização para a cólera e o sarampo.

"Organizámos uma primeira campanha contra a cólera, concebida para atingir 800 000 pessoas", explica o Dr. Enyegue. Além disso, a OMS destacou especialistas e forneceu testes laboratoriais e kits de cólera - cada um dos quais permite que 100 pessoas sejam tratadas durante três meses. Uma campanha de vacinação contra o sarampo, com financiamento da UNICEF e apoio técnico da OMS, também está em andamento. A campanha visa atingir crianças nascidas desde a campanha de vacinação anterior e outras que possam ter sido esquecidas nas vacinações de rotina, como Kavera Kasereka, de 7 anos, que recentemente adoeceu com sarampo. A sua mãe, Esther Bulindwa, pensava que tinha sido vacinada como bebé, mas "não tem como verificar".

As actividades centradas na cólera e no sarampo fazem parte de um esforço mais amplo para fortalecer o sistema de saúde. "Recrutámos muitas pessoas no início do surto de ébola para trabalhar na resposta ao ébola", diz o Dr. Mustafa. "Agora, com o apoio da OMS e da UNICEF, estamos a formar estas mesmas equipas para fazerem trabalho de rotina também nas suas zonas de saúde. Chamamos a nossa abordagem de 'ancoragem'", acrescenta. "Isso significa que, mesmo que haja ébola, não devemos negligenciar outras necessidades. Não devemos desmembrar o sistema. Há outras doenças que temos de combater - outros serviços de saúde primários que temos de reforçar".  Graças às actividades de vigilância em Kasika, tanto Kavera como Benedicção foram vistas pelos profissionais de saúde e rapidamente diagnosticadas. Ambos estão a caminho da recuperação. "É bom que estejamos a ouvir mais sobre vacinas e sobre como manter as nossas crianças seguras", diz a mãe de Kavera. "As pessoas aqui não têm tempo nem dinheiro para fazer tudo sozinhas. Estamos ocupados a tentar sobreviver".

Benediction, suffering from Cholera, & his mother (GOMA), Photo: WHO/Savage S.
Credits
Click image to enlarge
For Additional Information or to Request Interviews, Please contact:
Eugene Kabambi

Emergency Communications Officer
Tel : +243 81 715  1697
Office : +47 241 39 027
Email: kabambie [at] who.int

John Kisimir

WHO communications consultant
Email: jkisaid [at] gmail.com
Tel: +254 791 197 454 (Whatsapp)

Collins Boakye-Agyemang

Communications and marketing officer
Tel: + 242 06 614 24 01 (WhatsApp)
Email: boakyeagyemangc [at] who.int